domingo, 10 de fevereiro de 2013

DOIS POEMAS DE PASTERNAK

A 10 de Fevereiro de 1890, em Moscovo, nasce o grande poeta e romancista russo Boris Pasternak. O seu romance «Doutor Jivago», contendo fortes críticas ao regime comunista soviético de então, sofre censura e é proibida a sua publicação na União Soviética. Pode ler aqui- «LITERATURA - BORIS PASTERNAK», sobre vida e obra de um dos mais importantes autores russos do séc. XX. Boas leituras!
Poet'anarquista
Boris Pasternak
Poeta Russo

VENTO

Eu acabei e tu estás viva. 
E o vento, queixando-se e chorando, 
abana a casa e as árvores à volta. 
Não cada pinheiro isoladamente, 

mas todas as árvores juntas 
de todos os infinitos distantes, 
como navios ao sabor das correntes 
nas baías brilhantes ancorados. 

E isso não por audácia 
ou por frenesia insensata, 
mas para na melancolia encontrar as palavras 
para a tua canção de embalar. 

É assim que começam. Pelos dois anos 
separam-se da ama para o enigma das melodias, 
gorjeiam, assobiam, - e as palavras 
surgem por volta dos três anos. 

É assim que começam a entender. 
E no ruído pior que uma turbina 
parece que a mãe não é mãe, 
que eles não são eles e a casa é outra. 

Que fazer da terrível beleza 
que se senta no banco lilás? 
Realmente quer roubar crianças? 
E assim nascem as suspeitas. 

Assim amadurecem os receios. Aceitar 
a estrela alta inatingível, 
quando se é Fausto, quando se é visionário? 
E assim começam os ciganos. 

É assim que se abrem, voando alto 
sobre as cercas, onde estão as casas ausentes, 
dos mares súbitos como suspiros. 
É assim que nascerão os jambos. 

Assim nas noites de Verão, de barriga 
na areia, e a súplica: Seja! 
Ameaçam a aurora com a tua pupila. 
E até se atrevem a discutir com o sol. 

Boris Pasternak

SILÊNCIO

Ainda não é nascida.
É só canção e poesia,
E está em plena harmonia
Com tudo o que é vida.

O seio da onda arfa em paz,
Mas como um louco brilha o dia
E a espuma pálido-lilás
Jaz no azul-névoa da bacia.

Que em meus lábios pairasse
A quietude original
Como uma nota de cristal
Pura desde que nasce!

Volve … poesia e a canção,
Sê só espuma, Afrodite,
Coração, desdenha o coração
Que com vida coabite!

Boris Pasternak

1 comentário:

Anónimo disse...


EXCELENTES POEMAS !!!

Dois "SILÊNCIOS" Entrelaçados...

O primeiro, "Mimosamente" Musicado!...

O segundo, de "Doces" palavras
Bordado !...

Em Plena Sintonia !...

Muito Obrigada

Uma Alandroalense (L...)